10 de junho de 2020

Acolhimento psicológico para mães cardiopatas da Casa do Coraçãozinho

Iniciativa online fornece suporte emocional durante a pandemia

A Cordial está ofertando acolhimento psicológico para as mães de crianças cardiopatas atendidas pela Casa do Coraçãozinho. A iniciativa voluntária da psicóloga da Cordial, Thatiany de Moraes, visa acolher gratuitamente essas mulheres durante a quarentena.

O atendimento ocorre por videochamada em um aplicativo de mensagem, virtualmente de modo a cumprir o isolamento social. O serviço gratuito tem como objetivo fornecer um suporte emocional durante essa pandemia em que as crianças estão integralmente em casa tendo em vista a suspensão das atividades escolares presenciais.

acolhimento psicológico online para mães cardiopatas

Segundo Thatiany de Moraes, profissional responsável pelo acolhimento, a ideia surgiu a partir de outra ação de acolhimento interna, direcionada aos colaboradores da Cordial, sobretudo os que se encontram em processo de adaptação ao home office. 

  “O acolhimento psicológico vem para ajudar nesse cenário tão crítico de dor, de perdas, de isolamento. mostrando que ninguém está só em suas dores, essas podem ser partilhadas. O peso passar a ser carregado com mais leveza porque sabemos que não estamos sozinhos” afirmou Cristina Bento, assistente social responsável pelo Grupo de Mães da Casa do Coraçãozinho.

O novo normal, pautado no isolamento e distanciamento, tem impactado diretamente na saúde mental da população. A pandemia traz questões além da transformação da rotina e falta de contato social, outras preocupações como, por exemplo, com a saúde e com a questão financeira também intensificam o desgaste emocional.

“Um suporte emocional faz muita diferença, às vezes só o fato de estar ali disponível para ouvir o outro já contribui muito para amenizar essa dor, angústia e ansiedade. O nosso objetivo é proporcionar um alívio dos medos e ansiedade, fazendo com que as pessoas enxerguem a realidade de forma clara nesse momento em que os sentimentos ruins e as incertezas predominam” enfatizou Thatiany de Moraes.

Maria José (35) é mãe de uma adolescente cardiopata (17) e utilizou o acolhimento por indicação da assistente social da Cordial. Sendo a primeira vez que teve um suporte psicológico, ela contou que vem aplicando as orientações no dia a dia com seus filhos. 

“A psicóloga me ajudou e vem me ajudando bastante. Graças a essa consulta online, estou lidando melhor com as situações. Sem um apoio, às vezes a gente se sente perdida, sem saber o que fazer e nem por onde começar” enfatizou Maria.  

O acolhimento psicológico foi iniciado no início do mês de maio (04/05) e se encontra disponível para as participantes do Grupo de Mães da Casa do Coraçãozinho durante esse período de isolamento decorrente da pandemia de COVID-19. O serviço não possui finalidade terapêutica. 

“Amei o atendimento, uma iniciativa muito importante porque, mesmo à distância, continuamos tendo um grande apoio. A Casa do Coraçãozinho nos dá todo o suporte que precisamos” relatou Maria José.

  • Grupo de Mães da Casa do Coraçãozinho

O grupo de mães, conduzido pelo setor de Serviço Social, foi criado com o intuito de garantir o acesso ao tratamento adequado e assegurar o exercício pleno dos direitos das crianças e adolescentes cardiopatas, servindo de acolhimento e amparo emocional para as famílias.

A assistente social também auxilia no planejamento de um projeto de vida saudável, adequando-se à necessidade e perspectiva do cuidado com a criança ou adolescente cardiopata. Como forma de estimular a autoestima das mães e apresentar novas possibilidades de geração de renda, nos encontros do grupo, são realizadas oficinas de arte e cuidados. 

As reuniões contam ainda com a socialização dos saberes e das experiências entre as mães presentes, rodas de conversa e eventos comemorativos. 

  • Acolhimento Psicológico Online aos colaboradores da Cordial

Também fruto da iniciativa voluntária da psicóloga da Cordial, Thatiany de Moraes, o acolhimento psicológico fornece um apoio emocional aos colaboradores da Cordial durante o período de isolamento. O atendimento foi iniciado no final do mês de abril (30) através de videochamadas em um aplicativo de mensagem.

 

Texto e arte por Kamilla Abely

10 de junho de 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *